Manuel Fernández Rodríguez (1917-2003)

No dia 29 de março – oficialmente 31 de março de 1917 nasceu em Granada (Andaluzia, Espanha) o anarquista, anarco-sindicalista e resistente anti-Franco Manuel Fernández Rodríguez, que usava vários pseudônimos (M. Franz del Valle, F.R., M. Vega, J. Alpes, Zalamea, N, J. Sierra, J. Santos, etc.).

Filho de família libertária, seus pais foram Manuel Fernández e Ana Rodríguez.Até os 12 anos frequentou várias escolas e depois passou a trabalhar como aprendiz de escriturário.A partir dos 14 anos começou a militar na Juventude Libertária de Granada, com José Martínez Alonso, Torcuato López Barón, Robles, Diego Illescas, Guzmán e outros.Em 1934 fez parte da Comissão Local da Federação Ibérica de Juventudes Libertárias (FIJL) e entre 1935 e 1936 na sua Comissão Provincial. Em novembro de 1935 e janeiro de 1936, ele foi preso. Com a revolta fascista de julho de 1936 e seu triunfo em Granada, ele fugiu para Iznalloz e Guadix juntou-se à Coluna Maroto e lutou até novembro de 1936 no front de Baza.Em seguida, continuou na Juventude Libertária, onde ocupou cargos de responsabilidade, como Secretário de Propaganda do Comitê Regional da Andaluzia, e participou de várias reuniões orgânicas, como o Plenário do Movimento Libertário Espanhol (MLE) de 1938 realizado em Barcelona .Também integrou a comissão de esclarecimento da atuação de Rafael Peña García e foi redator do boletim Nuestros Libros.A vitória franquista levou-o a Baza e de lá foi para Alicante e Madrid e se estabeleceu em Barcelona.Ele trabalhou em uma casa ortopédica, mas em 28 de outubro de 1939 foi detido. Preso na Prisão Provisória de Poble Nou, foi libertado em fevereiro de 1942.Trabalhava em tudo, como na distribuição de vinhos e jornais diários, e com Miguel Jiménez fabricava e vendia sabão nas feiras. Quando pôde, contatou a clandestina Confederação Nacional do Trabalho (CNT) e se afiliou ao Sindicato das Artes Gráficas de Barcelona.Após a queda do Comitê Regional da Juventude Libertária no final de 1944, ele foi o encarregado de assumir e no final de dezembro de 1945 no Plenário da Floresta foi nomeado secretário do Comitê Regional da Catalunha da FIJL.Em fevereiro de 1946 partiu para a França como delegado desta organização para obter apoio, mas não conseguiu chegar ao II Congresso da FIJL em Toulouse de Languedoc, que se realizou entre 8 e 19 de março de 1946.Depois de se reunir com o novo Comitê Nacional da FIJL, em abril desse ano voltou à Catalunha. Em Barcelona instalou em sua casa a editora Ruta, cujo primeiro número foi publicado em junho de 1946.Entre junho e julho daquele ano, com Raúl Carballeira Lacunza, fez uma viagem de organização e propaganda (Valência, Málaga, Granada, Sevilha e Madrid) para entender a situação da Juventude Libertária Peninsular e se reuniu com Rafael Cayuela Cubillo, Ángeles Rojo e Juan Gómez Casas.Em julho de 1946 foi eleito vice secretário pela FIJL para o Comitê Regional da Catalunha da CNT, com a intenção de mudar a linha colaboracionista confederal, mas foi afastado do cargo um mês depois, ao não aceitar a dissolução do Comitê Regional. da Juventude Libertária da Catalunha, que dirigiu, e que impôs a direção confederal.Em 17 de agosto de 1946, ele foi preso em uma redada de repressão policial junto com cerca de quarenta camaradas. Na Cadeia Modelo de Barcelona, fez parte da Comissão de Imprensa, encarregada de redigir litográficamente os boletins Esfuerzo, Crisol e Acarus Scabieri.Em junho de 1947, ele foi libertado sob fiança. Com uma saúde muito febril, em outubro de 1947 cruzou os Pirenéus com Josep Lluís Facerías e Francisco Ballester Orovigt (El Explorador) para assistir ao II Congresso do MLE que se realizou em Toulouse de Languedoc entre 20 e 29 de dezembro.Em Paris integrou o Comité Regional da Andaluzia da CNT, com Antonio Morales Guzmán. Com isso publicou o boletim CRA e por uma temporada administrou o jornal CNT.Em janeiro de 1952 emigrou para o Brasil. Depois de uma temporada com Manuel Pérez Fernández no Rio de Janeiro, fixou residência em Porto Alegre, onde dirigiu uma gráfica e publicou o jornal O Protesto.Em outubro de 1961, com Manuel Pérez Fernández, Josep Pujol Grua, Maximiliano Rivera Flores, Luis Brillas e outros, compareceu como delegado de Porto Alegre ao Congresso das Federações Locais do Núcleo da CNT realizado no Brasil e fez parte da Comissão de Relações CNT.Em dezembro de 1970 instalou-se em Avellaneda (Buenos Aires, Argentina) e em janeiro de 1982 mudou-se novamente para Barcelona.Manuel Fernández Rodríguez morreu em 28 de outubro de 2003 no Hospital de Sant Gervasi em Barcelona (Catalunha) e foi sepultado no cemitério de Collserola de Montcada i Reixac (Vallès Occidental, Catalunha).


Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *